• Cabeçalho Criança e adolescente

Criança e Adolescente

08/11/2012

CAMPANHA - “Conte até 10. A raiva passa. A vida fica.”

CNMP lança campanha pela valorização da vida

"Conte até 10. A raiva passa. A vida fica". Essa é a atitude que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) propõe aos brasileiros que estiverem prestes a cometer um ato de violência contra alguém. No país, todos os anos, milhares de pessoas são vítimas de assassinatos por impulso em situações como brigas em bares, discussões no trânsito ou entre vizinhos. Com o objetivo de evitar essas mortes, o CNMP lança, no dia 8 de novembro, a Campanha "Conte até 10. Paz. Essa é a atitude". A iniciativa faz parte da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp) e conta com a parceria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Ministério da Justiça (MJ).

Conte até 10!De acordo com o Mapa da Violência 2012, divulgado pelo Ministério da Justiça, foram registrados 49.932 homicídios no Brasil em 2010. O número representa média de 26,2 assassinatos para cada grupo de cem mil habitantes, o que coloca o país entre os mais violentos do mundo.

Boa parte desses crimes foi cometido em atitudes impulsivas ou por motivos fúteis e poderia ter sido evitado se a calma fosse mantida. Segundo levantamento compilado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), entre 2011 e 2012, os homicídios por impulso e por motivo fútil representaram desde 25% a mais de 80% dos crimes cometidos, a depender do estado. Os números são relativos a 15 estados e ao Distrito Federal, foram remetidos pelas Secretarias de Segurança Pública ou pelo Ministério Público e encaminhados ao CNMP pelos gestores de metas da Enasp. Para evitar essas mortes, a Campanha propõe contar até dez e manter o controle.

"Nosso alvo são os homicídios que ocorrem em função da banalização da violência, da falta de tolerância, da ação impensada no momento da raiva. São casos, muitas vezes, de pessoas que nunca haviam matado antes, e, por perderem a cabeça numa situação de conflito, cometem o crime", explica a conselheira do CNMP e coordenadora do Grupo de Persecução Penal da Enasp, Taís Ferraz. "Para reduzir os índices de homicídio, além da atuação conjunta e articulada dos agentes do Sistema de Justiça, é fundamental a sensibilização da sociedade. É isso que estamos buscando", complementou.

Estrelas

Quatro atletas estrelam os filmes da campanha, que serão veiculados gratuitamente pelas principais emissoras de TV do país. Anderson Silva, campeão mundial peso-médio do UFC; Júnior Cigano, campeão mundial peso-pesado do UFC; Leandro Guilheiro, judoca duas vezes campeão olímpico; e Sarah Menezes, judoca campeã olímpica em 2012. Eles aderiram à iniciativa sem cobrar cachê. Entre as mensagens inseridas na ação estão "Quem é da paz não briga", "A raiva passa. A vida fica" e "Sua vida vale mais que qualquer briga".

O material de divulgação inclui jingles de reggae, rap e funk, anúncios para jornais e revistas, ações em mídias digitais e rede sociais e game. O material será veiculado gratuitamente por mais de 26 emissoras de televisão nacionais e regionais, abertas e a cabo, 115 rádios em todo o país, 35 revistas e 40 jornais, além de portais de internet e mídias alternativas (cinemas, mídia indoor, etc).

Também está em produção, em parceria com o Ministério da Educação, uma cartilha educativa que tem como objetivo orientar professores sobre como tratar o tema da violência em sala de aula. O material será distribuído em todo o Brasil a partir de 2013. O Ministério Público está organizando eventos regionais de lançamento, muitos em escolas públicas com histórico de violência, para repercutir a campanha e mobilizar a sociedade local. Já há eventos confirmados em 13 estados.

"Para atingir essa parcela da população, buscamos o apoio de atletas que se tornaram ídolos dos nossos jovens. Precisamos reverter os números de homicídios nessa faixa etária, que são alarmantes", afirmou Taís Ferraz. Entre 1980 e 2010, as mortes de jovens com até 19 anos cresceram mais de 370% no país.

[Fonte: CNMP - Notícias - 08/11/2012]

 

Conheça a campanha

A campanha "Conte até 10" visa sensibilizar a sociedade com objetivo de evitar os homicídios cometidos por impulso, que ocorrem em situações como brigas em bares, discussões no trânsito ou entre vizinhos. O alvo são os crimes que acontecem em função da banalização da violência, da falta de tolerância, da ação impensada no momento da raiva. Daí a proposta de contar até dez e manter o controle.

Conte até 10!A ação é uma iniciativa do Conselho Nacional do Ministério Público em parceria com a Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp), integrada pelo CNMP, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Ministério da Justiça. Instituída em fevereiro de 2010, a Enasp promove a articulação dos órgãos responsáveis pela segurança no país e coordena as ações de combate à violência.

Com a campanha "Conte até dez", a Estratégia quer ir além da qualificação e sensibilização dos agentes do sistema de justiça. Quer engajar também a sociedade civil. Na luta contra o homicídio, o desafio agora é agir em duas frentes: combater a impunidade, viabilizando a investigação e julgamento dos crimes, e conscientizar os brasileiros para evitar atitudes e reações contra a vida, em situações de violência.

Realização

Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp). Integram a Enasp o CNMP, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Ministério da Justiça (MJ).

Atletas participantes

Anderson Silva, campeão mundial peso-médio do UFC; Junior Cigano, campeão mundial peso-pesado do UFC; Sarah Menezes, judoca campeã olímpica em 2012; e, Leandro Guilheiro, judoca campeão mundial em 2010. (Os atletas não cobraram cachê pela participação)

[Fonte: Conte até 10!]

 

De 25% a 80% dos homicídios no Brasil são cometidos por impulso ou motivo fútil

Entre 2011 e 2012, os homicídios por impulso ou por motivos fúteis totalizaram entre 25% e 80% dos assassinatos com causas identificadas no Brasil, a depender do estado. Em São Paulo, por exemplo, 83% dos assassinatos com motivação esclarecida foram cometidos por impulso ou por motivo fútil, nos casos investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) nos últimos dois anos. Os números foram divulgados pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) nesta quinta-feira, 8 de novembro, no lançamento da campanha "Conte até 10. Paz. Essa é a atitude". A campanha faz parte da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública. São parceiros da iniciativa o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Ministério da Justiça (MJ).

Conte até 10!O estudo foi elaborado a partir de dados sobre homicídios remetidos por 15 estados e pelo Distrito Federal. O objetivo é mapear, dentre os assassinatos com causas identificadas, quantos foram cometidos por impulso, em uma ação impensada de quem mata, e/ou por motivo fútil. Como não há, no Brasil, critério uniforme de classificação de homicídios e cada estado adota critérios próprios, não é possível totalizar dados nacionais. No entanto, o estudo identificou, dentre as categorias utilizadas em cada estado, aquelas que normalmente estão associadas à atuação impulsiva do autor do crime.

Foram incluídos na macrocategoria "impulso + motivo fútil" homicídios classificados como briga, ciúme, conflito entre vizinhos, desavença, discussão, violência doméstica, trânsito, passional, consequência de vias de fato, etc. Algumas categorias - como vingança e rixa, por exemplo - podem englobar tanto homicídios por impulso quanto os premeditados. O estudo inclui esses crimes na macrocategoria do impulso, já que estão normalmente associados à atuação impulsiva do autor do crime. Não foram considerados os homicídios culposos (sem intenção de matar), os crimes sem classificação nem os classificados em categorias como "ignorado", "desconhecido", outras causas.

No Rio de Janeiro, de janeiro de 2011 a setembro de 2012, uma em cada quatro mortes com causa identificada (26,85%) está na macrocategoria "impulso + motivo fútil". Em Pernambuco, nos crimes com motivação identificada, os assassinatos por impulso ou motivo fútil foram 46,7% das mortes de 2010 e 50,66% em 2011. Rio Grande do Sul tem 43,13% dos assassinatos com causa determinada, em 2011, por impulso ou motivo fútil.

Outros estados com grande proporção de mortes incluídas na macrocategoria são Acre (100% em 2011 e 100% em 2012), Santa Catarina (74,46% em 2011 e 82,13% em 2012) e Goiás (63,77% em 2012).
(Vide situação paranaense em "Motivação dos crimes de homicídios")

Coletiva

Os dados foram divulgados em entrevista coletiva na manhã dessa quinta (08/11/2012), com a presença do presidente do CNMP, Roberto Gurgel, da conselheira Taís Ferraz, coordenadora do Grupo de Persecução Penal da Enasp, da judoca Sarah Menezes, de Flávio Caetano, secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, de Luciano Losekann, juiz auxiliar do Conselho Nacional de Justiça e de Ophir Cavalcante, presidente da OAB.

Segundo Roberto Gurgel, os homicídios por impulso "são crimes em que, na grande maioria das vezes, o autor se arrepende no momento seguinte ao disparo". A conselheira Taís Ferraz explicou que o estudo confirma a percepção dos agentes do Sistema de Justiça que atuam nas Metas 2, 3 e 4 da Estratégia, que pretendem concluir os inquéritos e as ações penais antigas de crimes de homicídio. "Durante esforço concentrado para a análise de milhares de inquéritos de homicídio antigos em todo o Brasil, percebeu-se que um número expressivo dos crimes investigados havia sido cometido sem premeditação, por impulso ou por motivo fútil. Boa parte deles, inclusive, tinha como autores pessoas sem histórico criminal", disse ela.

A campanha Conte até 10. Paz. Essa é a atitude foi idealizada para combater essas mortes. A campanha propõe contar até dez e manter o controle antes de cometer qualquer violência.

[Fonte: CNMP - Notícias - 08/11/2012]

 

Peças da Campanha:

»  Anúncio - Anderson Silva (205 x 275cm)
»  Anúncios (meia página)
»  Cartaz Escola (paisagem)
»  Cartaz Externo - Anderson Silva
»  Cartaz Externo - Anderson Silva (A3)
»  Cartaz Externo - Júnior Cigano
»  Cartazes Externos

 

Vídeos da Campanha:

  

Links:

»  Campanha "Conte até 10. A raiva passa. A vida fica."
»  Canal YouTube - Conselho do Ministério Público
»  CNJ - Conselho Nacional de Justiça
»  CNMP - Conselho Nacional do Ministério Público
»  ENASP - Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública
»  Ministério da Justiça

  

 

Conselho Nacional do Ministério Público
Assessoria de Comunicação
Fone: (61) 3366-9124
ascom@cnmp.gov.br
 
twitter: cnmp_oficial
 
facebook: cnmpoficial

Campanha “Conte até 10. A raiva passa. A vida fica.”

 

 

Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem