• Cabeçalho Criança e adolescente

Criança e Adolescente

18/11/2013

DROGAS - O crack nas capitais brasileiras

Compartilhar no Facebook©

 

Segundo recente estudo denominado "Estimativa do número de usuários de crack e/ou similares nas capitais do país", existem, atualmente, 370 mil usuários de crack (pasta base, merla, oxi) vivendo nessas 26 cidades brasileiras. Dentre eles 14% são menores de idade, o que representa aproximadamente 50 mil crianças e adolescentes fazendo o uso da substância.

O levantamento, solicitado pela Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas-Senad, utilizou metodologia inédita de pesquisa (onde não se pergunta diretamente ao entrevistado sobre seu próprio comportamento, mas sim sobre o de outros indivíduos pertencentes a sua rede de contatos) para estimar com mais precisão essa população considerada oculta e de difícil acesso e que representa 35% do total de consumidores de drogas ilícitas no país.

Foram ouvidos 7.381 usuários, dos quais 79,9% disseram que gostariam de se submeter a tratamento de saúde. Do total ouvido, 78,7% eram homens, com idade média de 30 anos e sem ensino médio.

Veja mais informações nos links:
-   Livreto Domiciliar e
-   Livreto Epidemiológico

Ministério da Saúde

[Fonte: Correio da Saúde - Edição nº 802 - 18/11/2013]

 

38,7% dos usuários de crack das capitais do país estão no Nordeste

Um estudo da Fiocruz, divulgado nesta quinta-feira, estima que 38,7% dos usuários de crack que vivem nas capitais do país estão na região Nordeste - o que significa 148 mil pessoas.

As capitais concentram 370 mil usuários regulares da droga ou similares (pasta base, merla e oxi). O contingente representa 35,7% do total de usuários regulares de drogas ilícitas (excetuando-se a maconha), estimado em 1 milhão nas capitais.

O estudo é a maior pesquisa já feita no país sobre o tema. Foram duas pesquisas realizadas pela Fiocruz, sob encomenda da Senad (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas): um que traça estimativas sobre o número de usuários nas capitais do país, e o segundo que traça um perfil do dependente de crack, desta vez em âmbito nacional. A divulgação dos resultados era esperada há cerca de um ano e meio.

A segunda região com maior número absoluto de usuários é a Sudeste, com 113 mil ou 29,6%. Em seguida, vêm o Centro-Oeste (51 mil ou 13,3%), o Sul (37 mil ou 9,7%) e o Norte (33 mil ou 8,6%).

O estudo mediu outra condição de vulnerabilidade: o uso do crack por menores de 18 anos. Dos 370 mil usuários regulares, 50 mil são crianças e adolescentes. E sua proporção, entre os usuários estimados, também é maior na região Nordeste.

Enquanto a média nas capitais aponta que 13,5% dos usuários regulares são crianças e adolescentes, o percentual sobe para 18,9% nas capitais do Nordeste.

A pesquisa considera como usuário regular a pessoa que consumiu a droga por pelo menos 25 dias nos seis meses anteriores à entrevista. O estudo que encontrou uma estimativa de usuários nas capitais coletou informações em 2012. Foi utilizada uma metodologia que pergunta sobre o uso de drogas na rede de contatos, com visitas a domicílios.

O governo não divulgou dados por capital. A Senad informou que os dados serão desagregados e divulgados posteriormente.

Infográfico DataFolha - aInfográfico DataFolha - b

Perfil

Um segundo estudo procura traçar o perfil dos usuários de crack e drogas similares no país como um todo, agora incluindo cidades de pequeno e médio porte, regiões metropolitanas e capitais.

Esses dados foram colhidos entre o fim de 2011 e o junho de 2013, entre 7.381 usuários da droga. Testes de HIV e hepatite C também foram feitos.

De acordo com o estudo, 78,7% dos usuários de crack são homens, 80% são "não-brancos", 41,6% informaram ter sido detidos no ano anterior. Em termos de educação, 55% completaram a 8ª série do ensino fundamental e somente 3% chegaram ao ensino superior.

O perfil do uso indica que 55% utiliza a droga diariamente. O consumo da droga se estende há 7,6 anos na média nas capitais e há 4,9 anos nas demais cidades. Varia consideravelmente a quantidade de pedras usada por dia: a média é de 16 pedras, mas alcança 21 entre as mulheres.

O estudo identificou que os usuários de crack e drogas similares também fazem uso frequente de outras drogas lícitas e ilícitas, como tabaco, álcool, maconha e cocaína.

Cerca de 65% dos usuários regulares têm algum trabalho autônomo/provisório como fonte de renda, 12,8% pedem esmolas, 9% ganham dinheiro de atividades ilícitas (como furtos) e 7,5% são profissionais do sexo ou trocam sexo por dinheiro.

Mulheres

O perfil sobre os usuários regulares faz um retrato cruel da situação das mulheres dependentes do crack. Cerca de 10% informaram que estavam grávidas no momento da entrevista, e 46,6% disseram ter engravidado pelo menos uma vez desde que começaram o uso da droga.

Das entrevistadas, 44,5% relataram já ter sofrido algum tipo de violência sexual. E pouco menos de 30% informaram que trocam dinheiro ou drogas por sexo.

Acesso a serviços

O pouco acesso a serviços e a prevenção de doenças transmissíveis também foi verificado pelo estudo da Fiocruz. Enquanto 78,9% dos usuários relataram a vontade de buscar tratamento, menos de 7% procuraram um CAPS AD (estrutura base para receber os usuários) e menos de 5% buscaram uma comunidade terapêutica.

Outro dado preocupante é sobre o uso de preservativos. Quase 40% dos entrevistados não utilizaram preservativo nas relações sexuais vaginais que tiveram nos 30 dias anteriores à entrevista.

E o conjunto dos usuários entrevistados apresentou taxas mais elevadas de doenças transmissíveis por sexo desprotegido ou por instrumentos cortantes. Enquanto a taxa geral de HIV na população brasileira é de 0,6%, entre os usuários foi medida em 5%. A hepatite C também aparece como mais frequente: 2,6% enquanto a taxa nacional é de 1,38%.

Johanna Nublat de Brasília

[Fonte: Folha de São Paulo - 19/09/2013]

 

Matérias relacionadas:   (links internos)
»   Política Antidrogas
»   Publicações: Livros, Manuais e Cartilhas

Notícias relacionadas:   (links internos)
»   (16/10/2013) ANTIDROGAS - Prevenção do Uso de Drogas em Instituições Religiosas e Movimentos Afins
»   (16/10/2013) Relatório Mundial sobre Drogas 2013
»   (07/10/2013) SAÚDE - Adolescentes boicotam festas sem bebida alcoólica
»   (21/08/2013) DROGADIÇÃO - Comitê do MP-PR apresenta "Projeto de Enfrentamento ao Álcool, Crack e Outras Drogas"
»   (26/06/2013) PUBLICAÇÃO - Relatório Mundial sobre Drogas 2013
»   (25/06/2013) POLÍTICA ANTIDROGAS - Jovens ganham até R$ 1 mil pelo tráfico formiguinha
»   (21/06/2013) POLÍTICA ANTIDROGAS - 14% dos adolescentes já usaram drogas na capital paranaense
»   (21/06/2013) POLÍTICA ANTIDROGAS - XV Semana Nacional de Políticas sobre Drogas
»   (20/06/2013) POLÍTICA ANTIDROGAS - Consumo de crack entre estudantes de 13 a 15 anos aumenta, diz IBGE

Download:   (arquivo PDF)
»   Pesquisa usuários crack no Brasil (Livreto Domiciliar)
»   Pesquisa usuários crack no Brasil (Livreto Epidemiológico)

Referências:   (links externos)
»   Crack, é possível vencer
»   Observatório Crack, é possível vencer
»   MS - Ministério da Saúde
»   SENAD - Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Ministério da Justiça)

 

 

Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem